sexta-feira, 20 de agosto de 2021

Memórias felizes

 Há meses que não escrevo nada no blogue. Falta de vontade, desinteresse, ausência de feedback dos leitores, demasiado FB. O blogue parece sempre um monólogo e reflexão, mais do que um diálogo ou conversa, como era dantes. Hoje quase ninguém lê blogues e perdeu se uma fonte criativa e cultural que faz falta nas redes. Mas ninguém tem paciência para ler mais de duas linhas e ainda menos para fazer comentários interessantes. C'est dommage.


Há 56 anos, encontrei o Amor da minha Vida. 

Em Amsterdão, num passeio de barco. Démos as mãos e aí começou uma aventura de 8+29 anos. 

Separámo-nos sem conflitos em 2002. O meu ex-marido faleceu em 2017. Nunca tivémos uma conversa sobre a nossa separação, encontrávamo-nos nas festas familiares, como se fosse a primeira vez. Os meus netos pensavam que o M. era meu namorado e um dia o André perguntou quando é que dávamos um beijo na boca! 

Acompanhei-o nos seis meses que acabaram dolorosamente na CUF no dia 25 de Fevereiro poucos dias depois do seu aniversário. 

As ultimas palavras que me disse foram:  "Hoje estou feliz. Estás aqui. E posso beber vinho pois já nada me faz mal." 

Ainda me custa pensar que ele não está cá e sonho muito mais com ele do que quando éramos casados. Sinto a falta de alguém mais velho ( apenas seis meses, mas com muito mais maturidade e bom senso) , alguém a quem possa contar tudo aquilo que me interessa ou apaixona. 


Nas minhas ilusões , acredito que ele me ouviria e me defenderia sempre. 
Foi sempre mais um Pai que um marido. Um Pai bastante exigente do qual, infelizmente,  me tive de libertar. 

Mas não faria nada de outro modo. O Amor foi perfeito enquanto existiu.

É bom poder viver a vida sem remorsos. Puz aqui uma carta que lhe escrevi dois meses depois de termos começado namoro. Foi sempre a minha atitude perante a nossa união.

É por isso que hoje escrevo aqui sobre nós dois. Por saudosismo.  Porque como dizia Adamo " Cést ma vie, cést ma vie, je n'y peux rien, c'est elle qui ma choisi. C'est ma Vie. C'est pas l'Enfer, c'est pas le Paradis."


Pode não haver amanhã...




6 comentários:

  1. Que beleza de reflexões, Vírgínia !!!
    Tanta saudade em ler o que escreve!...
    Beijinhos.
    Maria Manuela

    ResponderEliminar
  2. Olhando para trás lembro-me de vários blogues a que adorava ir, sobretudo pelo que escreviam os seus autores, às vezes também pelos comentários que geravam, mas que infelizmente acabaram. Depois há outros blogues que podem parar, mas como uma boa surpresa renascem com um novo texto, como aconteceu aqui. Gosto muito de vir aqui pela profundidade de alguns textos, pela beleza e ensinamento de outros, e pela companhia.
    um beijinho e o resto de uma boa semana
    Gábi

    ResponderEliminar
  3. Que memória tão bonita. Gosto muito de ler as suas reflexões e pensamentos.
    Muita saúde e muita alegria
    Abraços
    Maria Isabel

    ResponderEliminar
  4. ✨, bonita reflexão sobre a vida e o amor que habita nela. Obrigada!

    ResponderEliminar