sexta-feira, 17 de julho de 2015

Inspiração

Há alturas em que me apetece pintar...

Sento-me no atelier.
Não pinto de pé porque me custa cada vez mais estar nessa posição a segurar as bisnagas ou a paleta.

Olho lá para fora para o quadro - sim, esse é mesmo um quadro real - com tonalidades magníficas de verde e sinto-me bem.

Não preciso de música...lá fora é poesia pura. Até se ouve o chilrear dos pássaros e o piar das gaivotas...

Tão depressa pinto abstractos, que são meras brincadeiras com o pincel e as cores, como entro no mundo rural e recordo paisagens idílicas que talvez nunca tenha visto na vida...sonho com montes e vales, florinhas salpicando a erva, arbustos ou árvores lá ao longe, céus de chumbo, cinzento e lilás a prometer chuva...tudo na minha imaginação...



Viajo com o pincel e sinto-me completamente feliz.

9 comentários:

  1. Excelente terapia, a pintura.

    Bom fim de semana.


    ResponderEliminar
  2. Sem dúvida, já ultrapassei muita coisa, dedicando-me a trabalhos de mãos, não sóa pintura, mas também os crochets, bordados e tricots. Nunca deixei de os fazer....

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  4. Acho que qualquer actividade de que se goste, para a qual se tenha talento, se possa gastar tempo e dê algum trabalho se torna reconfortante e apaziguadora, do corpo, da psique, do espírito e da alma.
    Estes quadros poderiam ser paisagens das Cezaredas, porque os tons são os das plantas silvestres e o nevoeiro o do clima que predomina. Mas a quietude e a paz são isso mesmo, ausência de turbulência, quase o zero absoluto em que nada se move... a não ser o nosso coração, o dos que amamos e as patas do cão nos caminhos trilhados pelos homens e pelos animais ao longo de milénios. Quem me dera ter o talento da Virgínia (inveja fraternal...) mas ainda bem que posso usufruir do seu talento através destas partilhas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Apaguei uma das mensagens que estava em duplicado....
      O meu talento não é senão necessidade de me exprimir com pinceis...não me considero nenhuma pintora , nem faço disto gala....
      Tu tens muitos talentos....mas só não os enumero, pois podem pensar que estamos numa de elogio mútuo ( fraternal). Binhos

      Eliminar
  5. Fico expectante, quanto ao resultado da terapia. (post das telas).

    Votos de semana com muita inspiração:-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada. Para já a inspiração foi-se..... :)

      Eliminar
  6. Apague sempre... acho que, às vezes, é a Tenrinha que, malandreca, carrega nas teclas sem eu dar por isso... ela está aqui a enviar um grande Au-Au para a "tia Bicas"! Para ela, o que conta é a Natureza, passeios, frango, arroz e mimo. e uma pequena caminha quente para um cão quente. A frugalidade em pessoa... canina. E em troca disso, dá-nos tanto e tanto - talvez devêssemos aprender mais com os nossos congéneres mamíferos. A Tenrinha devolve-me a condição humana - que mais se pode desejar?

    ResponderEliminar
  7. Nunca pensei que te ias apegar tanto a uma cadelinha por afinidade :).

    É verdade que os animais demonstram todo o seu afecto sem exigirem quase nada em troca, não discutem, podem ladrar em descontentamento, mas até isso alegra os nossos dias. Nunca pensei em ter cães, nem gatos num apartamento, mas se um dia me sentisse muito só, talvez optasse por essa solução. Os meus netos adoram cães!

    ResponderEliminar