sexta-feira, 16 de junho de 2017

Música da TV

Tenho andado a descobri os canais de música que me oferece a NOS.

O Mezzo e o Mezzo HD já são há muito a minha escolha favorita. Já ouvi aqui concertos, ópera, ballet, programas excepcionais de jazz ou de Música do Mundo.

Mas agora tenho descoberto outros canais mais ligeiros e que neste momento me animam mais do que Bach. Parece pecado dizer isto, mas penso que toda a música pode ser audível em dados momentos.
Lembro-me de casamentos onde dançávamos enamorados ao som da música brasileira ou pimba. Emocionavam-nos na mesma.
Há músicas que são eternas e delico-doces e que nos fazem chorar.

Também oiço muita música francesa agora. Algumas canções que ouvia nos meus 20 anos e que ainda me fazem calafrios pois são parte duma época em que cada ida à discoteca era uma experiência estratosférica. O meu namorado queixava-se sempre de que eu o fazia deitar tardíssimo e que Lisboa o deixava completamente esgotado. Em épocas de exames, nem lá punha os pés.

Hoje ouvi um cantor que não conhecia e adorei a canção e o video clip que fala do amor paternal. Já conhecia uma do Serge Reggiani que faz chorar as pedras, mas esta é muito bela também e não tão triste. Dedico-a ao meu Irmão Mário que é o melhor Pai do mundo.


Tu sera peut-être pas le meilleur mon fils
Mais pourtant moi, je serai fier
A quoi ça sert d'être riche
Quando on est riche d'être père
Tu seras peut-être pas le plus fort mon fils
Mais à deux, on sera millionnaire
Que je sois pauvre ou bien riche
Tu seras riche d'un pére
Tu seras riche d'un pére.


   
Claudio Capeo  "Riche"

12 comentários:

  1. Virgínia, já reparou que, vai não vai, entre afirmações "apaixonadas" se queixa do seu marido antes e depois de ele o ser?! Reaja menina!

    ResponderEliminar
  2. Já conheceu alguma relação sem mácula 😄? Eu não!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda por cima em tinha razão, pois para ter média de 16 tinha de estudar 10 h por dia numa Republica sem rei , nem roque. Eu é que puxava por ele erradamente.

      Eliminar
  3. Eu não me queixo, nem do antes nem do depois e, em Julho já lá vão 48 anos de uma relação tão profunda quão tranquila!

    ResponderEliminar
  4. Que bom para si...o céu espera por vós😋😋😋

    ResponderEliminar
  5. Só que eu não acredito no Céu... mas gostava!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está conversa consigo e estéril. Não me interessa NADA.

      Eliminar
    2. ... só porque a faz pensar! E, tudo o que nos faz pensar não é estéril, bem pelo contrário,.
      Ás vezes é preciso dar volta à vida mesmo que achemos que não queremos... que estamos bem assim!
      Não se zangue com o que escrevo, ou então elimine a minha observação!

      Eliminar
  6. Pensar e o meu nome do meio, Dalma. Passe bem mai-lo o maridinho!!!

    ResponderEliminar
  7. Gostei, é muito bonita e não conhecia. Obrigada pela partilha aqui :)
    (fez-me recordar quando estava no 10º ano e a nossa professora de francês deu uma aula com canções francesas, descobri grandes cantores/canções, e quando os ouço lembro-me do incrível que foi essa aula)
    um beijinho
    Gábi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A m´sica francesa faz parte do meu imaginário de adolescência e juventude. Aorava alguns cantores, Adamo, Hervé Villard, Chales Aznavor, Serge Reggiani, Gilber Becaud, Edith Piaf, etc.etc.
      Ainda me fazem chorar, pois o meu M. tb gostava muita de dançar estas músicas comigo. As grandes aulas são feitas com momentos destes.
      Bjinho

      Eliminar