domingo, 16 de novembro de 2014

Mais um domingo sem sol


Tempo carregado.

Céu quase sempre plúmbeo, com algumas abertas que deixam entrever manchas pálidas de azul.

Estou cansada de chuva, faz-me falta o sol, parece que o verão já terminou há muito. É só ilusão de óptica, pois ainda há três semanas, gozava do clima maravilhoso da Califórnia. Isto só demonstra o meu estado de espirito um pouco em baixo nesta altura.

Não tenho razões para isso, estou melhor de saúde, tive a companhia do meu filho e do meu ex. para almoçar na Foz, é muito melhor do que estar sozinha aqui a ver policiais da BBC, por muito bem feitos que eles sejam. Senti que a família ainda existe, apesar de desfalcada durante este ano. A minha filha está bem feliz e graças ao Skype, consigo vê-la todos os dias.


Deito-me demasiado tarde com relutância  e de manhã, custa-me a levantar... ontem pelas 4 ainda
estava aqui a ver a série " State of Play" feita há dez anos, mas com aquela sobriedade e perfeição dos programas da BBC. Já há muito que não via séries destas, é claro que só consigo vê-las fazendo download para o laptop.  Em geral levam uns 15m a descarregar, mas depois dão para umas horas largas de entretenimento.

O cinzento do céu do Porto às vezes pesa-me, habituada que estava a Lisboa, onde chove muito menos e há quase sempre sol. Será que este tempo vai durar eternamente?

12 comentários:

  1. Gininhamiga

    Quando chove oxalá chegue o sol; quando chove, mas que falta faz à agricultura, quando será que chove? O homem é um inconstante por que bulas o tempo não o seria? Neste mundo em que vivemos, vimos tranquilamente dando cabo dele, essa e que é essa! Mas há uma verdade (havia): o tempo em Lisboa é melhor do que o do Porto. Aliás, para mim, Lisboa é, de longe, melhor do que o Porto. Lisboa tem luz e alegria; o Porto, bem pelo contrário é sombria e escura: deprimente.

    O Carlos do Carmo é que sabe destas coisas:

    Lisboa menina e moça, menina
    Da luz que meus olhos vêem tão pura
    Teus seios são as colinas, varina
    Pregão que me traz à porta, ternura
    Cidade a ponto luz bordada
    Toalha à beira mar estendida
    Lisboa menina e moça, amada
    Cidade mulher da minha vida


    Prontos (sem s) já desabafei

    Bjs da prima Raquel & qjs meus

    ResponderEliminar
  2. Sim, Lisboa é mais catita, mais algre, mais luminosa....mas o Porto é mais antigo, mais romântico, mais contrastado e tem um rio que é o mais belo de Portugal, não tenho dúvidas nenhumas. Apesar do tempo, adoro esta cidade e não mudava para Lisboa, nem que me pagassem....morria de saudades do mar, do cheiro das plantas e da gastronomia. Bjo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito bem Virgínia.
      KO técnico no Henrique.

      Eliminar
  3. Virgínia, bom dia! É bom saber que os filhos estão felizes nas suas vidas, mesmo não estando perto de nós ou presentes fisicamente. O contrário seria péssimo.
    Há dias ofereceram-me o livro, penso que o mais recente da Drª HSC, com o título, E Nada O Vento Levou. Comecei a lê-lo hoje À medida que vou entrando na leitura, noto que certos assuntos já li no blogue que sigo com regularidade, "fio de prumo . Há uma frase que me chamou particularmente atenção que é a seguinte:" quando se perde quase tudo aquilo que nos resta já é uma enorme riqueza"...Portanto, há que nos agarrarmos no bom que temos para viver e penso que a Virgínia tem muito de bom na sua vida, felizmente. Que assim se mantenha por muitos e bons anos! Dias mais cinzentos todos temos... eu que o diga ! Mas a gente faz umas misturas com outras tintas de forma a dar outras cores mais alegres... Será que é possível a combinação da cor cinzenta com outra tinta para obter esta reacção ? Melhor do que ninguém saberá ! Beijinho e votos de muito bem estar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, a minha depressão é sempre relativa. Há momentos em que me sinto um pouco inútil e com vontade de enterrar a cabeça na areia ( almofada) sem sequer ver luz do dia. Outros há em que me sinto viva e encaro as tarefas com ânimo e vontade. Ultimamente têm-se alternado. Os fins de semana são melhores, desde que o meu filho mudou para Melgaço e vem aqui regularmente. No ano passado cheguei a estar mais de cinco semanas sem o ver.
      Mas continuo a sentir muito a falta dos meus netos, são eles que me alegram, mesmo quando às vezes me sinto cansada. Rio-me imenso com eles, aliviam-me a carga e dão-me razões para viver.....
      Obrigada, Madalena, gosto muito de si, deve ser uma pessoa muito positiva e simpática. Bjinhos e boa semana.

      Eliminar
  4. Mas Virgínia, acho que já li que saiu há mts anos de Lisboa e por isso me admiro que ainda sinta a nostalgia de Lisboa para a qual diz " "não mudava nem que lhe pagassem"!

    ResponderEliminar
  5. Saí há quase 40 anos de Lisboa, mas vivi lá até aos 29 anos, portanto toda a minha infância e juventude. Costumo dizer que foram duas encarnações diferentes. Não tenho nostalgia de Lisboa - nenhuma, mesmo - nem sequer do tempo ventoso e soalhento que fazia no Restelo. Tenho nostalgia da juventude e da família - pais, sobretudo - porque era uma privilegiada e vivia bem, não porque a Lisboa me fosse atraente como cidade ou lugar para viver eternamente. Quem não sai de Lisboa, não sabe o que é o resto do país...
    Se mudasse do Porto, seria para uma cidade inglesa como Oxford ou Leeds, nunca para Londres....

    ResponderEliminar
  6. Bom, se mudasse para essas cidades que diz, então sim é que teria de se queixar com a chuva e o céu sombrio durante quase todo o ano, além do frio de inverno, coisa que ai no Porto raramente atormenta!

    ResponderEliminar
  7. Não Dalma, já vivi em Inglaterra dois meses no pino do inverno e adorei a neve, o frio, a chuva mesmo! A minha filha diz que inverno sem frio não tem graça nenhuma. O meu filho gostava imenso de Munique no inverno, era uma época com cor, luzes e concertos em todas as igrejas e salas. Portugal não festeja o Advento como eles.
    Oxford é uma cidade lindíssima, tão cosy!! Leeds tem lojas e locais fantásticos, onde se passam horas excelentes. Os arredores são duma beleza indescritível - todo o Yorkshire é maravilhoso - com castelos, paisagem e História. Lisboa tb tem Sintra, mas é de difícil acesso e muito turistico para meu gosto.
    O Porto tem o mar a 15m da minha casa e o Douro lindo a qualquer hora do dia e à noite. Sem falar do Minho e do Gerês.
    Não me canso disto....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Virgínia, uma coisa é um inverno com chuva permanente, outro é um inverno com neve, muita neve! Estive um ano e tal no Canadá e que saudades sinto do inverno que lá passei! Passear com a neve a cair, que lá é seca, ao contrário da Inglaterra, e apesar de temperaturas de -15º, foi um privilégio que tive na vida.
      Também conheço relativamente bem o Yorkshire, vivi lá três meses e várias visitas em anos posteriores mas sempre durante o "verão" deles!
      Tive várias experiências, sem ser as turísticas, que muito me ensinaram e às quais acrescento um ano em Itália, a 100km a norte de Veneza, tb muito enriquecedora. Uma priveligiada, dirão, e é verdade!

      Eliminar
  8. Sim, Dalma, mas os meus filhos detestaram a neve em Boston, onde viveram durante oito meses. Em Munique, onde o meu filho viveu 7 anos, ele gostava do inverno porque vivia junto à TUM ( universidade) e depois de casar, passeavam imenso nos fins de semana para os Alpes e lagos da Baviera. Quanto a mim, só trocava o Porto pela Inglaterra, pois tendo andado num colégio inglês, ficou-me o amor a tudo o que é britânico, ao modo de viver, mentalidade , séries de TV ( que downloado directamente), pessoas, etc. Não viajei assim tanto, mas não sou pessoa que goste de viajar durante longas temporadas ( nunca gostei) e estive muitos anos sem viajar porque não tinha ninguém que ficasse com os três filhos, nem dinheiro para gastar!! :). Mas não me queixo, adoro estar aqui em casa.....

    ResponderEliminar